A CONSTRUÇÃO DE UM CURRÍCULO MÉDICO BASEADO NA PERSPECTIVA DA ANDRAGOGIA: ESTAMOS NO CAMINHO CORRETO?

Pedro Fonseca de Vasconcelos, Rita de Cássia Silva Tagliaferre, Mauro Fernandes Teles

Resumo


Nos últimos anos com o avanço das tecnologias, tornou-se necessário trabalhar com novas metodologias em sala de aula. No curso de medicina, as condições de aprendizagem na Andragogia, os alunos assumem o compromisso de participar ativamente do processo de aprendizagem. O objetivo deste trabalho foi analisar se as Diretrizes Curriculares Nacionais norteiam a construção de um curso médico que se adequem à condição adulta. Os resultados apontaram que a construção de cursos de Medicina pautados em uma perspectiva andragógica devem englobar desde uma estrutura física adequada até um modo de avaliar qualitativo e condizente com a forma de aprender do adulto. Ainda há o que evoluir na elaboração de uma DCN que contemple todos os requisitos do modelo andragógico. Portanto, pode-se dizer que a Andragogia está evoluindo e se tornando uma abordagem importante no aprendizado nas Ciências Médicas, salutar na condução do adulto-aprendiz. 

Palavras-chave


Educação; Adulto; Medicina.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, M.N.; SOARES, I.G. (Trans) formando e ousando o método de ensino em enfermagem no cuidado à saúde mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, n.12, p.59-64. 2014.

AUSUBEL, L.G.C. Ensinar, aprender, apreender e processos de ensinagem. In: L.G.C. Anastasiou & L.P. Alves (Eds). Joinville: Univille, 2003.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELLAN, Zezina. Andragogia em ação: como ensinar sem se tornar maçante. São Paulo: Z3, 2005.

BERBEL, N.A.N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas. v. 32, n. 1, p,24-40. 2011.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acessado em: 03 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Brasil, 2004. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília, Seção1, p.8-11, 2014.

CEZAR, P.H.N. et al. Transição paradigmática na educação médica: um olhar construtivista dirigido à aprendizagem baseada em problemas. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 31, n.3, p.212-22. 2010.

DARBYSHIRE, Philip. In defence of pedagogy: a critique of the notion of andragogy. Nurse Education Today, v. 13, p. 328-335, 1993.

DRAGANOV, Patrícia Bover; FRIEDLANDER, Maria Romana; SANNA, Maria Cristina. Andragogia na saúde: estudo bibliométrico. Esc. Anna Nery [online]. 2011, vol.15, n.1, pp.149-156. ISSN 1414-8145. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000100021. Acesso em 05/07/2019

FORTE, F.D.S. et al. Portifólio como estratégia de avaliação de estudantes de odontologia. Trabalho, Educação e Saúde, v.13, p.25-38. 2015.

FUJITA, J.A.L. et al. Uso da metodologia da problematização como Arco de Maguerez no ensino sobre brinquedo terapêutico. Revista Portuguesa de Educação, v.29, n. 1, p.229-58. 2016.

KNOWLES, M.S. The modern practice of adult education: from pedagogy to andragogy. 2 ed. Nova York: Association Press, 1980.

KNOWLES, M. S.; HOLTON, E. F.; ESWANSON, R. A. Andragogía: El aprendizaje de los adultos (M. A. IzquierdoCastañeda, Trans.,3rd ed.). México: Oxford University Press. 2006.

KNOWLES, M.S.; HOLTON III, E.F.; SWASON, R.A. Aprendizagem de resultados: uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 388 p.

LUCKESI, C. Avaliação da aprendizagem na escola e a questão das representações sociais. Eccos Revista Científica, Universidade Nove de Julho, São Paulo, v.4, n.2, p.79-88. 2002.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA (BR). Conselho Nacional de desenvolvimento Científico e Tecnológico. Áreas do conhecimento: Ciências da Saúde. 2019. Disponível em: http://www.cnpq.br/areasconhecimento/4.htm. Acesso em 06/09/2019.

MORENO, L.C. Educação para adultos: uma alternativa para o desenvolvimento profissional. 2001. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2019.

NOFFS, N.A.; RODRIGUES, C.M.R. Andragogia na Psicopedagogia: a atuação com adultos. Revista Psicopedagogia. v. 28, n. 87, p.283-92. 2011.

NOGUEIRA, S.M. A andragogia: que contributos para a prática educativa? Revista Linhas, v.5, n. 2, p.1-23. 2004.

OLIVEIRA, A.B. Andragogia, facilitando a aprendizagem. Educação do Trabalhador, v. 3. 1999.

OLIVEIRA, Ari Batista de. A Essência Andragógica para Empresas. MEd Education. University of Minnesota – USA. Instituto Andragógico de Desenvolvimento Humano: Iand, 2011.

SAKAMOTO, B.A.M.; VERÁSTEGUI, R.L.A. Avaliação como ato de amor e não de exclusão. In: II SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: INF NCIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO. 2010, Cascavel. Anais Cascavel: UNIOESTE, 2010, p. 1-16.

XAVIER, A. S.; KOIFMAN, L. Educação superior no Brasil e a formação dos profissionais de saúde com ênfase no envelhecimento. Interface (Botucatu). v.15, n..39, p.973-984. 2015. ISSN 1414-3283. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011005000019. Acesso em 03/09/2019.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i4.1942

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Pedro Fonseca de Vasconcelos, RITA DE CÁSSIA SILVA TAGLIAFERRE, MAURO FERNANDES TELES

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.